Monday, February 15, 2010

O Avesso do Avesso do Avesso

O avesso do avesso do avesso de Caetano Veloso faz uma alusão, em parte, aos absurdos paradoxais que encontramos nos nossos cotidianos pós-modernos. Parece ser mais do que uma jogatina de palavras fáceis para recriar um contexto mais complexo. O avesso já está ao avesso, e ao seu avesso, o avulso, e ao avulso do avesso, novamente o avesso. Soam como significados poéticos, mas para o bem e utilidade de nosso texto, a intenção é a transformação do absurdo em algo aceitável e vice-versa.

Em inúmeras ocasiões nos últimos anos vi-me engajado em debates acirrados sobre a legitimidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Quem conhece meus textos sabe que sou totalmente contra qualquer espécie de discriminação contra homossexuais, como sou contra o racismo, o anti-semitismo ou a misogenia. Esses embates, no entanto, tendem a desgastar muito mais do que qualquer outra espécie de discórdia política. É muito mais simples concordar ou discordar com políticas econômicas do que sociais.

Nos debates ora violentos (verbalmente, apenas), ora somente tensos, a maioria das pessoas contrárias ao direito de casamento entre homossexuais ou à adoção de crianças por casais homossexuais julgam contraditória a seguinte afirmação:

“Você (nós todos) não tem (temos) o direito de privar o direito de segmentos de nossa sociedade.”

A contradição (o avesso) existe justamente porque a luta é por direitos alheios, e seria, segundo meus interlocutores opositórios, negação de seu direito impedi-los de privar, por opinião própria, o direito de homossexuais. No entanto, essa conclusão (avesso do avesso) é ainda mais contraditória. Caso algum ativista pelos direitos humanos de seja qual for o segmento de sua sociedade desista de lutar por esses direitos por medo de privar o direito daqueles que desejam privar os direitos desse segmento está “rolando nas próprias fezes”, infelizmente.

Algo similar ocorre nos Estados Unidos quando conservadores acusam liberais de “se acharem melhores do que os demais”. Quando liberais afirmam que estão anos luz à frente dos conservadores em temas de direitos humanos e percepção/sensibilidade dos/pelos problemas de sua sociedade, criam um avesso. O avesso do avesso é a lógica consumada de que quaisquer grupos políticos pensam como pensam e lutam pelo que lutam justamente por se acharem melhores do que a oposição. Ninguém advoga uma opinião pensando se tratar de uma opinião pior do que o contra-argumento, à não ser por maldade ou terceiras intenções. Então conservadores não se acham melhores do que liberais? Se não, por que lutam tanto pelas políticas conservadoras e não deixam tudo como está, já que é igual e não faz diferença?

Finalmente, argumentos que saem pela mesma tangente tornam-se cada vez mais populares no mundo pós-moderno que vivemos. Acusam ateus de “acreditarem na inexistência de um deus”, ou afirmam que a teoria da evolução “é só uma teoria, bem como a teoria do Design Inteligente é uma teoria”, e “o Design Inteligente responde questões que a evolução não consegue”.

O avesso do avesso encontra-se no primeiro exemplo a partir do momento que é impossível comprovar a inexistência de alguma coisa, seja ela Deus ou Papai Noel. Como é impossível comprovar inexistências, é gramatica e logicamente redundante acreditar na inexistência. Por isso existe a negação da crença: Descrença. Quando não acreditamos a fé é passiva na conclusão do pensamento. Singelamente não se trata de uma questão de fé. Ja no segundo exemplo, a teoria do Design Inteligente não pode ser desprovada. O maior argumento contra a teoria de Charles Darwin é sua ineficiência em responder questões que o Design Inteligente responde. As fontes do Design Inteligente? Abstratas, pensamentais e filosóficas, ou seja, inobserváveis, impossíveis de desprová-las porque sua representação física é nula por si, e qualquer prova é apenas indireta. Já quanto ao fato de ser apenas uma teoria, lembro aos leitores que a gravidade é somente uma teoria, e de certo modo foi contestada por Einstein com a teoria da relatividade e ainda há quem acredite que o universo não pode ser fisicamente regido pela gravidade. Alguém ainda duvida da gravidade, entretanto?

Esses avessos encontram formas ainda mais estapafúrdias e confusas. No exemplo de liberais versus conservadores, muitas vezes conservadores clamam pelo direito da liberdade de expressão. Clamam pelo direito de dizer que são contrários ao casamento entre homossexuais, e em muitos casos clamam pelo direito de dizer o que bem entenderem contra homossexuais ou quem mais quiserem. No entanto, conservadores geralmente clamam por esse direito quando liberais expressam seus sentimentos e pensamentos contrários à discriminação advogada pelo tradicionalismo, e a intenção desse segmento em própria defesa é calar a boca de seus rivais. Como a liberdade de expressão é sagrada (para todos e para todos os efeitos), a intenção de um grupo é lutar por sua liberdade de expressão através da censura da liberdade de expressão dos outros? Avesso do avesso do avesso do avesso do avesso… Sem fim…

A lógica não é tão complicada quanto fazem parecer. Quando debatemos política ou ética, debatemos em ataques e defesas similares aos que vemos em cortes de justiça. Procuramos a defesa que nos acude dos apuros encontrados quando há discórdia e falta de argumentos lógicos. Quando advogados não podem comprovar que seus clientes não são culpados, comprovam que seus clientes podem ser tão culpados quanto qualquer outra pessoa. Ou seja, nem solucionam o problema (encontrando o culpado pelo crime) nem absolvem seus clientes, mas ainda assim os defendem bem e às vezes conseguem a liberdade de criminosos nessas bases.

Do mesmo modo, no entanto, que não podemos acreditar em inexistências, não podemos censurar a luta contra a censura, e não podemos comparar o conceito opositório ao racismo com o racismo em si. Logo, quando digo ou escrevo que sou absolutamente contra opiniões discriminatórias, não estou discriminando negativamente. Se odeio quem odeia meu judaísmo sem motivos lógicos, não sou eu o anti-semita, e sim a pessoa, e não posso bem ser considerado um anti-anti-semita, certo? Então, da próxima vez que um amigo/a disser que é contra o casamento entre homossexuais e você se sentir reprimido pela contrariedade, não se deixe convencer que o homofóbico é você. Isso seria – e é – um absurdo. Deixe o avesso do avesso do avesso estampado à música do Caetano, que é onde melhor lhe cabe, e onde soa mais bela. O resto é resto.

RF

4 comments:

Halem Souza said...

Roy, achei seu texto excelente (vou, inclusive, enviá-lo para alguns amigos). E queria destacar este trecho:

"
Algo similar ocorre nos Estados Unidos quando conservadores acusam liberais de ' se acharem melhores do que os demais '. Quando liberais afirmam que estão anos luz à frente dos conservadores em temas de direitos humanos e percepção/sensibilidade dos/pelos problemas de sua sociedade, criam um avesso. O avesso do avesso é a lógica consumada de que quaisquer grupos políticos pensam como pensam e lutam pelo que lutam justamente por se acharem melhores do que a oposição. Ninguém advoga uma opinião pensando se tratar de uma opinião pior do que o contra-argumento, à não ser por maldade ou terceiras intenções. Então conservadores não se acham melhores do que liberais? Se não, por que lutam tanto pelas políticas conservadoras e não deixam tudo como está, já que é igual e não faz diferença?"


O embate conservadores X liberais tem contornos mais bem definidos nos EUA, mas acho que isso vale também para outros países (inclusive o Brasil).

Concordo plenamente com você: ninguém defende pontos-de-vista se não os acha melhor do que outros em discussão. E isto eu achei sensacional na sua postagem: já que a intenção é "conservar", por que simplesmente não se envolver já que, pelo visto, tudo anda as mil maravilhas?.

Digo sem medo de exagerar: foi um das melhores postagens que já li por aqui. Um abraço.

Roy Frenkiel said...

Grande, como lhe disse em privado, grato pela presenca e pelas boas palavras.

Ha so um pequeno porem que calculei ca com meus botoes metalicos hoje de manha: Seria possivel ser contra o casamento entre homossexuais sem ser politicamente contra?

Refiro-me a uma discussao que tive com outro cla ha um tempo atras em relacao a armas de fogo. Poderia eu ser contra a obtencao civil de armas de fogo e ao mesmo tempo nao votar contra a mesma ja que nao considero meu direito negar os outros desse direito? Mais um avesso pra se pensar, e quem sabe elabore esse lado no proximo texto.

Abrax

RF

Jens said...

Oi Roy.
Eu não tenho nada contra o casamento entre homossexuais. Meu único temor é que a prática se torne obrigatória para toda a sociedade. Já estou velho demais para mudar de hábitos (Será mesmo? Hummm... pensando bem, considerando que o sexo oposto não tem me dado a devida atenção... quem sabe, todavia, porém, contudo, entretanto, talvez...
***
Acredito em Deus, Papai Noel e na supremacia moral dos liberais.
***
Um abraço._

Beti Timm said...

O ser humano prima pela complexidade e se tornam tão obsoletos que são ultrapassados por si mesmos. Por quê os homens não podem ser apenas isso, tão únicamente seres que se completam entre si, não importando cor, religião, etnia, ou qualquer outro tipo de diferença. Todos ocupam o mesmo espaço na terra, respiram o mesmo ar e voltarão ao pó, porque dele viemos, para ele voltaremos e nele seremos iguais!

Beijos