Monday, March 10, 2008

Revoltando

Finalmente de volta, já tem assunto cambaleando pelos vãos espaços preenchidos e vazando pela culatra da máquina deste bloguista. Mas mesmo assim, vamos devagar e aos poucos porque ninguém é de ferro. Foi uma semana até tranquila, quando, sem trabalhar por pedido de folga forjada consegui concretizar todos os meus outrora abstratos desejos, como escrever uma matéria sobre o aumento de algumas aulas de vários departamentos em várias localidades diferentes do meu e de outros campus do Miami Dade College.

Outra realização foi ir ao médico e descobrir que ainda nada sei sobre o que tenho. Apenas me disseram que terei de colocar o mesmo treco que se grudou ao meu corpo pelas incômodas 24 horas da semana retrasada, um monitor cardíaco, mas agora por duas semanas. Ao menos poderei me banhar, disse a enfermeira. Outro exame, cujo nome tampouco sei pronunciar, mas que tem algo a ver com eletro-fisio-cárdio-grama ou algo do gênero, consiste em pôr-se um tubinho pela minha perna para chocar e reparar o coração. Eita... Só sei que nada sei, mas por enquanto, nada se sabe mesmo.

Sobre a política, o que me ocorre é que os tempos apaixonados se passaram, mas não falta o que comentar. Hillary Clinton de volta à corrida, Barack Obama mostrando, a cada novo dia, suas verdadeiras duvidosas cores, e no partido Republicano o senhor Frankenstein McCain garante sua nomeação, fazendo o pobre Mike Huckabee finalmente sair de cena. Isso vocês já devem saber. Talvez não saibam que no Sábado Obama venceu mais sete delegados contra quatro vencidos por Clinton no minúsculo “caucus” de Wyoming. Agora sabem.

E amanhã votará Mississipi, um estado que pende ao lado de Obama por circunstâncias raciais, já que nele encontra uma grande população negra. A mesma jogada talvez o desfavoreça, contudo, nas eleições gerais. Mississipi não tem das mais modernas tradições, e apenas elegeu uma oficial governamental feminina em toda sua história, considerada bastante retrógrada para os liberais.

Sobre isso e muito mais, espero poder decorrer à medida que me ajusto à nova residência e volto aos trancos ao cenário da análise política exercitada neste blog.

Por enquanto, aos abrax,

RF

3 comments:

sandra camurça said...

se cuida direitinho, viu?
menino, querido.
beijim

Jens said...

Puta que pariu, Roy. Não me fala em coração. O meu vai falhar logo, logo - é inevitável, faz parte da caminhada. Minha dúvida é se vou ser atendido a tempo de receber umas duas pontes de safena e seguir adiante, ou não terei tempo de chegar ao telefone. Um dos nossos (meus), editor da página Internacional do Correio do Povo, teve o piripaque quando falava com um amigo pelo telefone. O cara ligou pra SAMU e o camarada está aí, firme e forte com duas safenas e um monte de dívidas (parou de fumar, mas continua comendo porcaria). Um amigo do meu cunhado recebeu quatro pontes de safena. Três anos depois voltou a beber cerveja e a fumar (se não, qual a graça de continuar vivo?, argumenta).
O que me assusta é a solidão: me imagino Paulo Francis, que não estava solitário quando botou a mão no coração, disse "ai" e caiu morto. Bosta, bosta, bosta. Tu és jovem, portanto, ainda imortal. Te cuida, garoto e matuta uma idéia de retomar a Reação com um patrocínio legal (tipo IG), que apazigue nossas ansiedades. Meu coração vagabundo e cansado agradece.

Vais said...

Ei Roy,
Nossa! o Jens tá parecendo um Matusalém, ahahahaha
UM GRANDE PARABÉNS POR ESTAS POSTAGENS QUE VOCÊ VEM FAZENDO.
E se cuida,
cuida do coração
e tomara nada descabelante
abraço