Thursday, December 30, 2010

Retrospectiva 2010 - Final

Finalmente, o último texto da retrospectiva de 2010 e, de certo modo, também de uma década. Todos testemunhamos muitos fatos históricos onde quer estivessemos no ano que se vai, na década que se vai oficialmente. Concluí que seguir lembrando casos históricos (pensei nos mineiros de Chile, no segundo ano de Barack Obama e a eleição de Dilma Rousseff, entre outros) será sempre deixar de lado outros milhões de casos históricos dependendo do ponto de vista, algo aludido na homenagem a Howard Zinn, que reinterpretou a história estadunidense contemporânea.

O blogue aqui vai bye-bye. A primeira postagem do que então entitulava de Individualismo fala por si da evolução pensamental que tive desde 2007. Já vinha formulando as incertezas que substituíram as certezas de outros tempos, já vinha colecionando amigos e inimigos modernos, e já vinha me questionando sobre qualquer espécie de posicionamento ideológico. Diria para “não reparar” na escrita, mas eu mesmo me supreendo positivamente com a melhora. À medida que me expus, criei novos títulos, mas a linha, a forma de escrever e a intensidade do pensamento continuaram as mesmas. Talvez tenha refinado alguns achismos aqui e acolá. Nesse relacionamento blogue-leitores-outros bloguistas expus uma característica que hoje em dia me define parcialmente como pessoa: Inquietude. Assim certo companheiro de espaço virtual apontou-me entre balaios e gatos este ano.

Do Individualismo saltei à Escolha do Próximo Porteiro, a discorrer sobre as eleições presidenciais nos Estados Unidos, vencidas, pela primeira vez na história, por um negro, o que de certo modo contribui mais à causa racial do que a promoção individual de seu nome. Quando terminou a fanfarra eleitoral de Tio Sam, trilhei um caminho que explodia de minhas implosões ideológicas internas, e que gerou certas polêmicas. O Brasil então, terra reencontrada depois de quatro anos de ausência pela fobia que me impediu de voltar e ingressar em uma universidade brasileira, me serviu de ninho de novas ideias, com novas pessoas e novas cabeças e uma nova perspectiva sobre o desenvolvimento do país. Eu, cucaracha onde quer esteja, sei o quanto é importante visitar a terra para saber dela, e não só ler os recortes de jornais. Um japonês quase semita me alertou sobre os perigos da super-exposição e, de até onde pude, diminuí inclusive minha defesa de certas causas ou argumentos em prol de mais paz na blogoesfera. Ganhei leitores, perdi leitores, mas ao menos sigo quem mais gosto e agradeço de coração a todos os que continuaram a ler o Não Leiam Este Blogue. Se alguém se interessar, deixo ainda os arquivos abertos. Contam quase melhor do que eu a historia do fim de minha década.

Já disse isso inúmeras vezes, mas em 2011 farei valer. Não me levo mais a sério, não tanto ao ponto de me martirizar ou exaltar desporporcionalmente. Gosto de escrever e seguirei escrevendo, se não com o ego, com o alter-ego. Como tive este endereço por muitos anos sob a marca d’Os Intensos original pesa-me um pouco ter que abandoná-lo, mas faz parte da “limpeza” de minha psique e imagem. Há muitas coisas que ainda sou de tudo o que ficou para trás, a maioria, mas há muito que já não sou, e quero criar a separação espacial das coisas. Somos seres de tempo, diria Heidegger. Pertencemos aos tempos que demarcamos, mas prefiro acreditar que também os construímos e que é esta a atitude que mais vale.

Sob a última badalada do ano aprendi talvez a maior lição de 2010. Apesar de ainda ter muito a correr, muitos planos a concretizar, muitos desafios e obstáculos a superar, e muitas lições a assimilar; apesar de que talvez o maior desses obstáculos seja conseguir me amar plenamente, aprendi que sei amar, muito bem, sou mestre nato nesta arte e mesmo que a auto-estima muitas vezes me diminúa perante quem amo, esse amor é bem reconhecido e apreciado. Nesse aprendizado me absolvo dos pecados que cometi.

Um excelente fim de ano e início de ano a todos e todas. Os planos ao futuro do blogue serão anunciados aqui em Janeiro, que é quando a maioria de vocês volta a ler até mesmo esse texto aqui, seus vagabundos, todos de férias.

Um super abraço, tudo de bom, saúde, felicidade, sucesso, dinheiro, amigos e amor. Siga a dica da própria Lilith, musa inconsciente do texto passado: “Beije-se. Vale a pena.”

RF

14 comments:

Glorinha L de Lion said...

Oi Roy, parabéns pelo brilhante texto, numa retrospectiva da década e de vc mesmo! Muito bom. Vc é mestre na escrita. Pelo que entendi (ou não?) vc vai fechar esse blog?
Ou vai repaginá-lo e dar uma sacudida em 2011?
Pena ter vindo pouco aqui em 2010, mas prometo, com a mão direita sobre meus futuros livros, que em 2011 virei te visitar mais vezes. Obrigada pelos votos, lá no meu Café! Desejo o mesmo a vc! Um 2011 nota mil! Tudibom! bjs,

Roy Frenkiel said...

Glorinha, vou anunciar a mudanca de planos e prometo que nao a deixo por fora. Acho que o que vem em 2011 sera meu melhor em termos de escrita.

Obrigado pelas lindas palavras!

bjx

RF

Jens said...

Feliz 2011, camarada Roy.
Gostei da decisão de não se levar a sério. É um bom preventivo contra úlceras.
Quando ao conselho de se beijar, na verdade eu queria mesmo era manter conúbio carnal comigo mesmo (sou tão gostosinho). Tentei, seguindo uma técnica sofisticada recomendada por Charles Bukowsky, mas infelizmente não consegui. Em 2011 talvez eu chegue lá.
***
Tá, agora sem frescura: Boas entradas (em todos os sentidos, hehehe...). Agora, vou-me ao bar. São quase seis da tarde do último dia do ano, estou ouvindo Francisco e Djavan (A Rosa) e ainda não bebi nada. Como diz o FHC: assim não dá!

Um grande abraço.

Miss Tery said...

Roy, parabéns pelo Texto.. e pelo blog..
Muitas coisas aconteceram em 2010.. e dentre elas, conhecer essa pessoa maravilhosa e inteligente que é vc..

Beijos no seu coração..
Essa sua querida....

MissTery (Moni)

Roy Frenkiel said...

Grande Jens, espero que teu figado tenha sobrevivido 2010, e tudo de bom, mesmo.

Moni, rs, o prazer e todo meu.

Beijao

RF

Luma Rosa said...

Roy, senti as fases deste amor: euforia, submissão e tristeza. Tem que aprender a amar sem amarras!! Amar o amor e não pessoas. Pessoas são complicadas! Quando amamos somente o amor - somatória dos sentimentos que estão dentro de nós - fica fácil compreender que as pessoas, quando amam pessoas, fazem delas objetos.
Não queria que fechasse o blogue, mas este é desejo meu e pouco importa. Que a sua decisão não traga arrependimentos!! Tanta coisa boa por aqui!! :)
Feliz mudança de calendário!! Beijus,

Roy Frenkiel said...

Grande Luma, acredito que seja impossivel amar sem sofrimento. Como voce mesma disse, quando amamos, fazemos das pessoas objetos. Quando o objeto ja nao e mais util em nossas vidas, nao pensamos em mante-las por perto nem mesmo se elas ainda precisarem de nos como objetos porque nos somos seres egoistas. Isso faz parte. Mas quando conseguimos amar a pessoa independentemente de ela estar conosco ou nao, mesmo que isso acarrete sofrimento, acredito que objetificamos menos, fazemos das pessoas mais fins em si do que meios, como gostaria Khant. Engracado que nessa ultima vez a intensidade da paixao, aquele inicio de endorfinas e dopamina, nao existiu simplesmente. Foi algo muito mais consciente, planjejado e maduro. Mas acabou, obviamente, assim que meus servicos ja nao foram mais requeridos (rsrsrs), e isso sempre doi. A nao ser, e claro, que conseguissemos anular nossos egos, algo que eu particularmente nao sou nem a favor. Diminuir a sensacao de posse, sim, mas as saudades ainda ficam.

O blogue fecha pra migrar pra outros espacos, e como disse a Glorinha, espero que sejam os melhores desde que comecei a publicar na net.

Bjx, tudibom,

RF

Gabriela Galvão said...

Ô Roy, fecha sem fechar! Deixa aih pra gente poder cair numa cama macia!

Mto tudo d bom pra vc e nada d 'chave d cadeia' pra nós!, huahauhauh

Beijinhos e grande abraço!!!

sandra camurça said...

Roy, vê se não demora a voltar, viu, seu...seu...seu.........intenso!rs
Apesar das nossas diferenças gosto um bocado d'ocê ;)

Beijo na bochecha

Roy Frenkiel said...

Gabriela, que bom que voltou :-)
O novo projeto ta ficando massa na cabeca.

Sandra, voltarei(emos), de forma ou outra, dia 20 devo ter novidades :-)

Sentimentos mutuos!

bjx

RF

Luma Rosa said...

Enfim, boas novas com o ano novo! Me avise quando a casa ficar pronta!! Beijus,

Roy Frenkiel said...

For sure, Luma! :-)

bjx

RF

Fátima said...

Tá boommmm... Vou me beijar!
Vou sair por aí a esbanjar alegria.
Viva 2011...
Viva 2011...
A vida é boa, não é?
Pois é meu amigo.
Vamos curti-la, antes que ela acabe com a gente.
Fico feliz quando vc vai a Maraláxia
Obrigada!
Feliz 2011 para vc e família.
Com carinho
Também RF

Halem Souza said...

Roy, que sua "sagrada" inquietude não se esvaia em 2011.

Eu sou um desses vagabundos que só leu esta postagem no meio do mês de janeiro, hehehe...

Pelo que entendi, este blog, do modo como foi pensado e conduzido até agora, é que deixará de existir, mas você continuará postando, só que em outro espaço, não é isso? Porque seria bem desagradável não contar com sua escrita na blogosfera.

Um abraço e aguardando as novidades.

P.S "Japonês quase semita? Como é que é isso?