Friday, November 09, 2007

Silenciosa

Às vezes, a dor se sente em silêncio,
O rasgo da pele do seio
Tritura vestígios do fim de um começo,

Às migalhas, o coração encolhe
O engodo de sensações viscerais,
E das tripas despedaça nervos ancestrais,

Os olhos se enchem de sal,
As bochechas róseas se encharcam,
O esqueleto desbaratina-se do pedestal,

Os músculos se atiram sobre o piso,
Ao candôr cruel da gravidade,
Enquanto desaparece o sorriso,

Mas, ainda esperamos a esperança esvair,
Que, enquanto não se desmilingüa,
Cái em nossos corpos sem fazer-nos cair,

Mas, cega é a esperança,
Que não nos resolve dilemas,
Apenas posterga a tristeza
Que contém
Cada
Problema.

RF

4 comments:

Jens said...

Melancólico pra c... Ainda bem que estou numa fase clean.
Um abraço.

Taís Luso de Carvalho said...

E eu achei linda!
bjs
Taís

priscila said...

Uau...estamos os dois numa fase melancolia pura, entretanto a tendência é que isso passa...
ao menos penso eu.


beijo

SACERDOTISA said...

ROY - EDITOR MALDIDO...


CADÊ VC...PRECISO ESCREVER NOVOS TEXTOS E POESIAS...
ME AJUDA


HELP-ME , BABY!!!!


KISSES