Wednesday, August 15, 2007

Ofensas

Ofensas

Mundo diz-se digno, diz-se correto
Mundo diz-se necessário e sistemático
Mundo se remexe do torto ao reto
Enquanto Mundo, continua problemático.

E se a verdade é invisível ao olho nu
E a maldade um reflexo passageiro
Se contrariado, mandar tomar no cu
Não me considere um estrangeiro.

Às vezes, o sangue sobe à cabeça
Turvam em ácido ideais calmos
Mesmo que o caos me apeteça
A violência me aparta a palmos.

Pois, o desaforo é insensato
Mesmo baseado em sensatez
Aos insultos, o ideal é inexato
Mesmo partindo de uma lucidez.

Se as ofensas não funcionam
E as angústias não se resolvem
As mentiras que vos ilusionam
Seguem eretas, jamais se dissolvem.

A olho nu
Em reflexo passageiro
Mando tomar no cu
Mas não sou um estrangeiro.

RF



1 comment:

Camila said...

Muito bom poema... só posso comentar com trecho de outro poema, de um heterônimo de Fernando Pessoa:"somos estrangeiros onde quer que estejamos"
beijos
Ca