Monday, February 12, 2007

Saudades

Os poros se abrem lentamente. A lei promulgada pelo movimento de minha vida individual, é a da coletividade. A junção pensamental torna a unção de sentimentos que, se nem tão novos, ao menos caem mais calmos. O blogue se torna menos inóspito, mais coerente.

Graças à Lilith, Rainha de Sabá, minha nega mineira, tranquilizo-me e me ausento da solidão. E graças à sua ausência, ressinto as mais genuínas saudades.

RF

2 comments:

Jens said...

Fica frio Roy. Saudade é coisa que dá e passa. Evoé Baco!!! (Desculpe amigo, mas eu sou é grosso).
Um abraço.

Caiê said...

Saudade não passa. Saudade É sempre. :) Quando temos o que queremos, ficamos com saudade do futuro... já! Coisa de português?